Curitibana percorre sozinha Caminho de Santiago de Compostela

Ao longo do Caminho de Santiago, Gisele precisou respeitar os limites do próprio corpo: máximo de 30 km de caminhada por dia (Arquivo Pessoal)

Fazer um sonho se tornar realidade. Quantas vezes você já decidiu fazer isso com toda a sua força? Desde adolescente, a psicóloga e empresária Gisele Araujo Meter, de Curitiba, tinha o desejo de percorrer o famoso Caminho de Santiago de Compostela, uma rota de peregrinação dirigida à cidade de Santiago de Compostela, no Noroeste da Espanha. O tempo passou e foi somente há pouco mais de duas semanas que ela conseguiu colocar essa antiga vontade em prática.

Com a “Monstra” nas costas, apelido que deu à mochila que a acompanha nesta jornada, Gisele já caminhou cerca de 400 quilômetros do percurso. O caminho todo abrange 910 quilômetros e centenas de cidades, povoados e vilarejos.

Rota de peregrinação envolve mais de 900 quilômetros e centenas de cidades, povoados e vilarejos (Foto: Arquivo Pessoal)

A curitibana conta que, aos 13 anos, a ideia era fazer o caminho com uma amiga. “Fizemos a promessa de irmos a Santiago juntas. Vinte e três anos depois, eu estou aqui para cumprir a promessa. Levo uma foto 3×4 dela de quando tinha 13 anos na mochila”, diz ela, ao completar que levou apenas uma semana para fazer a viagem acontecer. O empurrão veio de uma amiga, que a incentivou a comprar a passagem rumo à Europa. “Apenas realize, não fique sonhando. Tenha ações concretas para que a coisa aconteça. Se eu tivesse seguido esse conselho, já teria feito essa viagem há muito tempo”, salienta.

Gisele e a companheira de viagem: mochila ganhou apelido de “Monstra” (Foto: Arquivo Pessoal)

Só depois de marcar a data do início da peregrinação, Gisele começou a fazer pesquisas em blogs, livros e vídeos a respeito. Mas ela também se permitiu não saber tudo sobre o caminho, a fim de poder vivenciar o inesperado ao longo da viagem.

Leia também: Pedagoga cria coletivo com cursos para emancipar mulheres negras

Desde que começou a caminhar pela rota, o maior desafio, relata, foi entender os limites do próprio corpo. “Eu queria caminhar 40 quilômetros por dia, mas ele só aguentava 25 ou 30 quilômetros. Decidi então que meu corpo seria quem ditaria o ritmo da viagem. Foi a melhor coisa escolha que fiz”, assinala ela.

Presença feminina

Segundo Gisele, o Caminho de Santiago é bastante seguro para mulheres. Ela mesma tem caminhado ora com companhia, ora sozinha. Também há dias que a psicóloga tem visto mais mulheres do que homens fazendo o percurso. São pessoas de todas as idades. “Tem dias que vejo em minha frente, no horizonte, outra mulher caminhando sozinha. A paz e a liberdade que se sente ao caminhar só – você e sua mochila, é indescritível”, define.

Mulheres são bastante presentes pelo Caminho de Santiago (Foto: Arquivo Pessoal)

Autoconhecimento

Uma das situações que a marcaram durante esse processo foi o início da caminhada com um grupo de quatro pessoas, de Madrid a Pamplona. Seguiram juntos por quatro dias, até que Gisele decidiu que continuaria sozinha, por causa do ritmo mais rápido dos demais. Ela percebeu o quanto a decisão foi difícil, por estar em um lugar desconhecido e completamente sozinha. “Naquele dia, eu me senti frágil e desprotegida. Mas foi também ali que comecei a me fortalecer e a me conhecer de verdade. Foi preciso ficar só para poder olhar para mim mesma e ver que eu não era o elo fraco do grupo, mas tinha meu próprio tempo e deveria seguir meu caminho de um jeito único”, explica.

Esse autoconhecimento, acrescenta a empresária, tem sido a maior lição da jornada. “Tenho descoberto coisas sobre mim mesma que até então eu não sabia. Você se fortalece no caminho, acho que esse é o maior aprendizado”, enfatiza.

E você, tem algum sonho antigo que conseguiu realizar? Conte pra gente! 😉

6 Comentários

  1. #seguefirme. Muito feliz pela vida ter se encarregado de nos conhecermos e mais feliz ainda lendo este relato da sua viagem.

  2. #seguefirme. Muito feliz pela vida ter se encarregado de nos conhecermos e mais feliz ainda lendo este relato da sua viagem.

  3. Muito linda a jornada da querida Peregrina Gisele Araújo Meter.
    Estou seguindo seus relatos diariamente pelo Facebook.
    Realizei este mesmo Caminho em setembro de 2016 e sei pelo que ela está passando.
    Buen Camino Peregrina!!!

  4. Muito linda a jornada da querida Peregrina Gisele Araújo Meter.
    Estou seguindo seus relatos diariamente pelo Facebook.
    Realizei este mesmo Caminho em setembro de 2016 e sei pelo que ela está passando.
    Buen Camino Peregrina!!!

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*