Vítima de vingança virtual, atriz encoraja mulheres a denunciar agressores

Sharmila Chambó foi vítima de vingança virtual
Modelo e atriz Sharmila Chambó foi vítima de vingança virtual (Foto: Divulgação)

A modelo e atriz paranaense Sharmila Chambó teve a vida virada de cabeça para baixo na última semana, após ser vítima de uma modalidade de violência cometida contra mulheres no meio virtual. Um homem com quem teve um relacionamento espalhou pela internet fotos íntimas dela após meses de chantagem. Apesar da dificuldade em reagir num primeiro momento, Sharmila conversou com seus advogados e decidiu ir até a Delegacia da Mulher registrar boletim de ocorrência contra o agressor. O caso será enquadrado na Lei Maria da Penha e na Lei Carolina Dieckmann – duas legislações que protegem mulheres de relacionamentos abusivos e comportamentos de vingança virtual.

Sharmila, que mora no Rio de Janeiro há seis anos e já teve participações em filmes e novelas da Rede Globo, relata que as ameaças começaram no início de 2018. Ela chegou a passar toda a madrugada em que ocorreu a divulgação não autorizada das imagens, como também na sequência, ao telefone, com o autor, tentando evitar que ele tivesse essa atitude. Não adiantou.

O ex-parceiro invadiu suas redes sociais para divulgar as imagens. As fotos também foram encaminhadas para grupos de WhatsApp com contatos profissionais de Sharmila.

“Não podia acreditar que aquilo estava acontecendo comigo, até porque me submeti a meses de chantagem para evitar que tais imagens viessem à tona. Me senti invadida, violada, exposta, insegura e tudo mais que possam imaginar”, define.

Luz no fim do túnel

Sharmila relata que, após o ocorrido, tem recebido muitas mensagens de apoio e conforto. Ela afirma que respeita as mulheres que preferem se esconder em um situação como essa – como foi o seu desejo inicial. No entanto, analisa que ninguém, em sã consciência, quer sair na rua e ser julgada por imagens que expõem sua intimidade e que jamais seriam mostradas com seu consentimento.

Dessa forma, a atriz acredita que, denunciando o crime do qual foi vítima, pode servir de exemplo para que outras pessoas que se submetem a relacionamentos abusivos possam enxergar uma luz no fim do túnel. Este tipo de situação pode acontecer com qualquer pessoa.

“Não devemos abaixar a cabeça, nem fazer coisas contra nossa vontade. Precisamos enxergar que somos vítimas e que essas atitudes são crimes, e inclusive, têm leis próprias”, sustenta.

2 Comentários

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*